About Me

header ads


About Me 2

header ads

   Compartilhar    Contador-img1  

Senador Canedo vai oferecer profilaxia pré-exposição (PrEP) ao HIV, serviço inédito no município

O serviço é voltado para soronegativos que se encontram em situação de risco para o contágio do HIV. Para receber o atendimento, basta procurar uma Unidade Básica de Saúde (UBS).


Foto: Divulgação Ascom 


A Prefeitura de Senador Canedo vai incluir a partir desta quarta-feira (1), o atendimento de Profilaxia Pré-Exposição ao HIV (PrEP). O serviço que é uma novidade no município, agora faz parte da rotina de atendimentos da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), e vai atender pessoas que vivem em situação de maior vulnerabilidade ao contágio do HIV/Aids. 

Este método de prevenção, consiste no uso diário de medicamentos antirretrovirais (ARV), para pessoas que não foram infectadas: os soronegativos. Com o uso, o organismo enfrenta um possível contato com o vírus durante a relação sexual e impede que o HIV se estabeleça no indivíduo.

“É gratificante ter mais essa forma de prevenção ao HIV, para assim diminuir o aumento no número de casos da doença no município. Mas é muito importante frisar que, a prevenção mais segura para as Infecções Sexualmente Transmissíveis é o uso de preservativos durante a relação sexual”, explica o secretário de saúde, Carlos Magno Neves. 

Em Senador Canedo, a implantação do serviço é resultado de uma parceria com a Secretaria de Estado de Saúde (SES). Antes, a população buscava o atendimento em Goiânia. “Todo serviço, desde a consulta, exames e medicamentos serão oferecidos aqui, agora não é preciso se deslocar até a capital”, ressalta Viviane Martins coordenadora do Componente Estratégico da Assistência Farmacêutica da SES.

Serviço

Para receber o atendimento, é necessário fazer a solicitação em uma das 23 Unidades Básicas de Saúde (UBS) do município. “A atenção básica é a porta de entrada, na UBS o paciente recebe o encaminhamento e segue com o atendimento no Centro de Especialidades Médicas (CEM) da Vila Santa Rosa”, explica Flávia Régia, diretora de vigilância em saúde da SMS. 



{{ADS001}}

* Ascom

fixImgOG fixImgOG fixImgOG fixImgOG fixImgOG